Ícone para loading

Mixxon logo

Alimentos e substâncias que dão um boost no cérebro
Lifestyle

Alimentos e substâncias que dão um boost no cérebro

Já ouviu falar dos nootrópicos? Em alta no Vale do Silício, na Califórnia, os nootrópicos são substâncias presente em algumas bebidas e alimentos, que  promete dar um boost na performance do cérebro, melhorando a memória e concentração.

 

A neuronutrição, ou ‘alimentação do cérebro’, privilegia substâncias que agem aumentando o fluxo sanguíneo, fornecendo de nutrientes para o cérebro e estimulando a formação de novos neurônios, além de novas conexões e sinapses. Estes produtos não chegam com o termo nootrópico nos rótulos, mas produtos manipulados ou prontos à venda no Brasil funcionam como substitutos.

 

Entre os ativos chave destes nootrópicos, destacam-se o Magnésio L-Treonato (que atua diretamente nos neurônios, aumentado a função cognitiva e, consequentemente, foco e aprendizado), o Neuravena (obtido a partir de uma variedade de aveia silvestre, possui bioativos que ativam o cérebro) e o Serenzo (extrato natural para o gerenciamento do estresse e diminuição da insônia, o que auxilia na manutenção das funções cerebrais). Outros nootrópicos são os fitoterápicos populares nas medicinas tradicionais chinesas e indiana, como Ginkgo Biloba, Bacopa Monnieri, Convolvulus Pluricaulis e Rhodiola Rósea.

 

Mas é também possível dar um up nas atividades cerebrais apenas através dos alimentos que vão à mesa, entre eles: o salmão, rico em DHA e os ovos, fonte de fosfatidilserina. Aposte também no chá preto, rico em teanina e cafeína, e no chá verde, que também carrega catequinas em sua fórmula. Já as verduras, frutas, cereais e carnes trazem vitaminas e minerais fundamentais para a saúde do cérebro. As vitaminas do complexo B, como a B1 (tiamina), B6 (piridoxina), a B9 (ácido fólico) e B12 (cianocobalamina), são potenciais provedores de energia cerebral. Já vitaminas C e E, e minerais como o magnésio e o zinco também garantem que sinapses e impulsos nervosos sejam bem sucedidos – e também atuam na produção de neurotransmissores como a dopamina e a serotonina, essenciais para o controle da ansiedade e com ação antidepressiva.

 

 

Texto por Vanessa Kopersz
Imagens Pinterest e Pixabay

Talvez você também goste